quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Tua Boca

Tua boca é para mim carmínea taça
em cujas bordas sorvo, trago a trago,
o divino hidromel com que embriago
o meu sonho de amor feito em fumaça!

Tua boca é um rubro cálice sem jaça
em que meus lábios, trêmulos, afago
na incontida volúpia em que divago:
– Vivamos nosso amor… que a vida passa!

Tua boca é a minha síntese vital,
em que fica suspenso o meu ideal,
em que eu prendo minha alma semilouca!

Tua boca é um sol ardente, em chama e em brasas:
sol de equador, que queima as minhas asas,
as asas de rubis da minha boca!

Manhumirim, 31-8-1936

1 comentários:

pammm. disse...

Nossa...amei este Shana.
Cada vez mais intenso e profundo!