domingo, 6 de abril de 2008

Música

Sombra de Deus, modulações do Nada,
que os anjos colhem do chão, com reverência.
O pó que fecundaste infiltra-se nas fendas
do Cosmo, pólen de ouro
em asas de invisíveis borboletas.

Louvamos-te, Senhor: o rastro de tua sombra
desce e ilumina as nossas trevas.

Anderson Braga Horta

0 comentários: